Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

just say it

este é um contributo para chegarmos a quem está do lado de lá, porque importa sermos mais activos e disponíveis para o que está em nosso redor. a surpreender na forma como o fazemos. a termos mais e melhores resultados.

just say it

este é um contributo para chegarmos a quem está do lado de lá, porque importa sermos mais activos e disponíveis para o que está em nosso redor. a surpreender na forma como o fazemos. a termos mais e melhores resultados.

What now, love?

Este é um blog sobre comunicar. Digo eu: sem espinhas. E os últimos dias têm sido extraordinariamente profusos em comunicação. A afectar directamente o nosso país (e a todos nós) continuaram os temas 'quentes' sobre o futuro económico e financeiro da nação, a recapitalização da CGD, entre outros. Com um twist de folclore o 'microfone gate'. E a afectar-nos numa medida diferente, maior, o Brexit. Diversos políticos, economicistas, pretensos especialistas de cada lado tornaram óbvias as barreiras. Que se tornaram barricadas numa guerra de argumentos. A guerra de pontos de vista tornou-se campo de batalha de retóricas. E a retórica, se pode ser considerada uma forma sublime de comunicação, para mim é o maior dos enganos. É falar bonito para quem não tem tempo (ou paciência) para dedicar a temas difíceis. Complexos na verdade. É dourar uma pílula que nunca seria tão brilhante. Não fora as palavras. A retórica pode ser - e normalmente é - aproveitada para construir argumentos lindos que levam a enganos de dimensão. A retórica dá asas a discursos inflamados de pretensa paixão. E a pretensa paixão não pode servir (digo eu) as decisões estratégicas que nos afectam muito para além das nossas conversas. Não pode servir. Há tanto mais que nos afecta - nas vivências, nas nossas contas, no futuro de países e de instituições, só para nomear algumas - que não pode ser resumido a discursos inflamados. E nós, os que assistimos de fora, não podemos instalar-nós a tão longa distância. Não podemos aceitar que nos atirem palavras fáceis que nos escusam de pensar. Devemos ser mais activos e procurar argumentos sólidos, os factos, as consequências. E procurar decidir a partir daí. Com palavras nossas. Com emoções de cada um. Com argumentos pesados nas nossas cabeças. Com as nossas dúvidas e questões verdadeiramente respondidas. Plus, Be great! www.plus.com.pt