Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

just say it - Guia prático para se fazer ouvir

este é um contributo para comunicar melhor e chegar a quem está do lado de lá, na audiência, seja uma cara ou duas ou imensas. para termos mais e melhores resultados. para comunicarmos e sermos recordados.

just say it - Guia prático para se fazer ouvir

este é um contributo para comunicar melhor e chegar a quem está do lado de lá, na audiência, seja uma cara ou duas ou imensas. para termos mais e melhores resultados. para comunicarmos e sermos recordados.

23 de Março, 2020

Imagem em tempo de isolamento

claudia nogueira

creat_impact.jpg

 

Nestes tempos, afastados que estamos dos nossos contactos habituais, a tecnologia tem sido um dos factores críticos para mantermos a ideia de proximidade fácil que precisamos. Humanos que somos, o calor das relações, dos abraços, do dia-a-dia, faz-nos falta. Tanta falta.

Motivos pessoais ou profissionais levam-nos aos écrans – do computador ao telemóvel – para buscarmos o outro, a decisão, o riso, o dever cumprido.

Olhando para o que projectamos, chego à conclusão que não cuidamos dessa imagem que partilhamos via tecnologia, como se o écran fosse uma espécie de filtro. Pode até ser, mas não faz milagres.

Podemos apresentar-nos de forma a não parecer que caímos da cama naquele instante? Podemos apostar na objectividade quando ela é precisa? Podemos ter a voz ‘à temperatura’ certa, evitando os falsos arranques que tanto ruído inflige na linha?

Podemos, sim. E não, não é acessório. Sobretudo quando trabalhamos activamente na construção ou na consolidação da nossa marca pessoal.

Conselhos fáceis de implementar, mesmo em tempo de ‘quarentena’:

  1. Estabilizar écran de forma a recolher imagem ao nível do olhar. Fácil, não é? E assim evitamos as ‘imperfeições’ à vista de baixo para cima, a imagem tremelicante entre outras idiossincrasias da ‘imagem moderna’!
  2. Acordar a voz no duche, sempre bom pela hidratação extra. Assim evitamos o pigarrear nervoso e irritante que incomoda qualquer conversa, quanto mais uma conversa à distância de um écran!
  3. Decidir pontos a trabalhar, o que quero dizer aos outros, tarefas a distribuir, o que for. Sobretudo nesta altura, em que muito temos de fazer – entre tarefas de trabalho real, apoio à casa e/ou a familiares –, conviria que respeitássemos tempos, duração de conversas e reuniões.

Daqui sobra tempo para as conversas de ‘deitar fora’ que nos fazem falta, aquecem a alma e ainda nos ajudam a gerir, os nossos estados emocionais.

Acredito eu, no geral e também aqui em particular: apresentarmo-nos no nosso melhor tem impacto. A começar em nós!

 

Be Great!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.